Dicionário de termos técnicos

O presente glossário objetiva apoiar os participantes dos cursos a partir de termos técnicos encontrados nos conteúdos.



Navegar usando este índice

Especial | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z |

R

RAA

Relatório Anual de Atividades

RAI

Registro de Ação Inicial.

RBHA

 Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica

RCC

Centro de Coordenação de Busca

RCSV

Relato ao Cenipa para a Segurança de Voo.

RECOMENDAÇÃO DE SEGURANÇA

Proposta de uma autoridade de investigação de acidentes com base em informações derivadas de uma investigação, feita com a intenção de prevenir ocorrências aeronáuticas e que em nenhum caso tem como objetivo criar uma presunção de culpa ou responsabilidade. Além das recomendações de segurança decorrentes de investigações de ocorrências aeronáuticas, recomendações de segurança podem resultar de diversas fontes, incluindo atividades de prevenção.

RELATÓRIO FINAL

Documento formal, destinado a divulgar a conclusão oficial do SIPAER, fundamentado nos elementos de investigação, na análise, na conclusão e nas Recomendações de Segurança relativas a uma ocorrência aeronáutica, visando, exclusivamente, à prevenção de novas ocorrências.

RELATÓRIO FINAL SIMPLIFICADO

Modelo de Relatório Final utilizado em casos específicos definidos em normas.

RELPREV

Relato de Prevenção.

REPORTE PRELIMINAR (PRELIMINARY REPORT)

Comunicação utilizada para a divulgação imediata dos dados obtidos durante os estágios iniciais da investigação.

REPRESENTANTE ACREDITADO

Pessoa designada por um Estado, com base nas suas qualificações, para participar em uma investigação conduzida por outro Estado. Quando o Estado possuir uma autoridade de investigação de acidentes aeronáuticos, o representante acreditado será, normalmente, designado por esta autoridade.

RF

RI

Runway Incursion

RICEA - REGISTRO DE INVESTIGAÇÃO DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

Documento padronizado, de acesso restrito, resultante da coleta e da análise de fatos, dados e circunstâncias relacionadas a um Incidente de Tráfego Aéreo.

RISCO CRÍTICO

Condição na qual não ocorreu um acidente devido ao acaso ou a uma ação evasiva em que as proximidades, vertical e horizontal, entre as aeronaves tenha sido inferior a 500 pés (150 m).


NOTA 1 - Quando uma Ocorrência ATS for classificada como Incidente de Tráfego Aéreo e não se enquadrar na condição acima, o reporte de Perigo de Colisão, efetuado por um dos pilotos envolvidos, após análise dos dados disponíveis, poderá levar o incidente à classificação de Risco Crítico.

NOTA 2 - O Incidente de Tráfego Aéreo, Risco Crítico, é classificado pelo CENIPA como Incidente Aeronáutico Grave.

RISCO POTENCIAL

Condição na qual a proximidade entre aeronaves, ou entre aeronaves e obstáculos, tenha resultado em separação menor que o mínimo estabelecido pelas Normas vigentes sem, contudo, atingir a condição de Risco Crítico.
NOTA - Quando as informações disponíveis não permitirem a determinação do nível de comprometimento da segurança dos tráfegos envolvidos em um incidente de tráfego aéreo, o mesmo será classificado como Risco Potencial.

ROTAER

Manual Auxiliar de Rotas Aéreas

RP

Relatório Preliminar

RPA - AERONAVE REMOTAMENTE PILOTADA

Aeronave não tripulada pilotada a partir de uma estação de pilotagem remota, utilizada com propósitos não recreativos.

RVSV

Relato de Vistoria de Segurança de Voo.